Junta de Freguesia de Cabeço de Vide

Trilhos

Caminho Nascente - Fronteira | Cabeço de Vide

Caminho Nascente - Fronteira | Cabeço de Vide

Segundo a lenda, foi no cabeço de um monte que os sobreviventes da peste que se seguiu a um ataque sarraceno se refugiaram e que, recuperando a saúde, dali em diante lhe chamaram “Cabeço de Vida”. É para Cabeço de Vide que caminhamos, onde o povoamento romano se sobrepôs a ocupações anteriores, conhecidas desde o Neolítico, e deixou a forte influência na região, passando aqui uma estrada subsidiária da importante via que ligava Lisboa a Mérida e que servia as Termas de Sulfúrea, onde foram encontradas ruínas de um balneário e muitos outros vestígios arqueológicos desta época. Mais recentemente, foi também por este vale que andaram investigadores da NASA, quando se descobriu que o pH incomum (11,5) das águas hiperalcalinas deste local indiciava condições hidrogeológicas muito semelhantes às da geologia detetada em Marte! Cabeço de Vide tornou-se vila autónoma por foral passado por D. Manuel I em 1512. O pelourinho, símbolo da autonomia municipal, data dessa altura. É um elemento patrimonial simples e rústico, com fuste octogonal e remate cónico em forma de pinha. No capitel figuram dois pequenos escudos em relevo, simbolizando a aliança entre as armas da coroa e as do concelho. O pelourinho deve ocupar o local para o qual foi projetado, diante da antiga casa da câmara e cadeia, nas imediações do castelo. Um castelo que, ainda que não sejam conhecidas as razões que levaram à sua construção, deve datar de uma época avançada na Idade Média, presumivelmente o século XIV. O portal principal, aberto na fachada sul, ostenta a cruz da Ordem de Avis. No interior, subsistem estruturas habitacionais, uma cisterna e um poço, o que atesta a ocupação do interior do recinto durante os tempos finais da Idade Média. Terá sido provavelmente nesta altura que se envolveu o castelo com uma barbacã, última etapa de constituição da fortaleza antes da sua perda de utilidade face à guerra de pirobalística que triunfou na Península Ibérica a partir do século XVII.
Rota da Ribeira Grande, Fronteira

Rota da Ribeira Grande, Fronteira

Assim como em vários concelhos da região alentejana, a vila de Fronteira no distrito de Portalegre é conhecida pelo seu artesanato e pela sua gastronomia. Neste sentido, e para que os seus visitantes conheçam um pouco mais desta região, foi criada uma rede de percursos pedestres que envolve todo o concelho. A Rota da Ribeira é um percurso circular com cerca de 9,5 quilómetros e com início marcado na Ponte da Ribeira Grande. O caminho começa em direcção às Grutas Santuárias de São Bento das Lapas, seguindo-se a Igreja de Nossa Senhora da Vila Velha, construída em 1226. Deste local os pedestres têm acesso a uma vista panorâmica sobre a freguesia de Cabeço de Vide. Esta rota percorre as duas margens da Ribeira Grande dando assim a conhecer uma grande variedade de espécies de árvores. Aqui predominam os freixos, eucaliptos, choupos, azinheiras e sobreiros. Por sua vez, estas servem de abrigo para várias aves, tendo especial atenção para a cegonha-branca, a coruja-do-mato, o estorninho preto, o melro, o pardal comum, o rouxinol e o pato real. http://www.walkingportugal.com/z_distritos_portugal/Portalegre/Fronteira/FTR_pr2_rota_da_ribeira_grande_folheto.pdf
Rota da Serra das Penas

Rota da Serra das Penas

Ficha técnica: Distancia: 11 km Duração: Aprox. 3 He 30m Dificuldade: Baixa Desníveis: Moderados Âmbito: Cultural e ambiental Partida/Chegada: Cabeço de Vide (Azinhaga de Silo Domingos) Disponível todo o ano
Rota da Sulfúrea

Rota da Sulfúrea

Ficha técnica: Distância: 9 km Duração: Aprox. 3 Horas Dificuldade: Baixa Desníveis: Moderados Âmbito: Cultural e Paisagístico Partida/Chegada: Cabe<;ode Vide (Capela/Largo do Espirito Santo) Disponível todo 0 ano
Rota dos Atoleiros

Rota dos Atoleiros

Ficha técnica: Distancia: 12 km em circuito Duração: Aprox. 4H e 30 m Dificuldade: Media Desníveis: Moderados Âmbito: Cultural e paisagístico Partida/Chegada: Fronteira (esta9ao de caminho-de- ferro ) Disponível todo 0 ano
Rota Megalítica

Rota Megalítica

Ficha técnica: Distancia: 19 km em circuito Duração: Aprox. 6 Horas Dificuldade: Elevada Desníveis: Moderados Âmbito: Cultural e ambiental Partida/Chegada: Fronteira (Igreja Matriz) Disponível to do 0 ano

© 2021 Junta de Freguesia de Cabeço de Vide. Todos os direitos reservados | Termos e Condições

  • GESAutarquia